5 de setembro de 2014

Por Hora


Por hora, me cabe um sorriso
ainda anseio por jornadas
a lugares desconhecidos.

Não me ponho à prova
nem me arrisco a inverdades
por hora, sou resquício de felicidade.

Fico preso ao tempo
ouvindo ao canto dos pardais,
sou melancolia barulhenta,
reflexo do que verás.

Sou alegoria impensada,
rima dos autos d'uma barca.
Aquele que se diz sonhador,
aquele quem jamais retornou.

Diego Ferreira

26 de agosto de 2014

Desgarrado


Arranquei minhas asas
atirei-as ao vento,
desisti de voar.

Elas continuam por aí,
soltas pelo ar...
Desbravando o mundo
a procura do meu eu.

Que desgarrou de mim,
preferiu continuar sozinho,
mesmo que fosse, sem asas.

                                DiegoFerreira

28 de julho de 2014

28 de Julho


A chuva cessou,
lá fora agora,
escuto o gotejar
das bicas e telhados.

Alguns passos distantes,
vozes quase sussurrantes
e um silêncio entoante.

Sob os olhos do silêncio,
as ruas se calam,
sou papel e caneta,
refém do sossêgo.

                       Diego Ferreira